Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

POLÍCIA

Polícia Civil identifica suspeito e esclarece furto de R$ 13 mil em cabos de energia

 
Um furto de cabeamento de energia que causou o prejuízo de aproximadamente R$ 13 mil a uma empresa foi esclarecido pela Polícia Judiciária Civil, através de investigações da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf-VG). O suspeito, A. B. S., foi identificado como autor do furto na empresa, e também pela atuação na instalação para furtos de energia, popularmente conhecido “gato”.

As investigações iniciaram no dia 26 de março, quando a equipe da Derf-VG foi acionada do furto do cabeamento e sistema de vigilância da empresa. O furto ocorreu durante a madrugada e foi percebido pela manhã pelos funcionários que não conseguiram ligar as luzes e equipamentos do estabelecimento.

Através de um minucioso trabalho de investigações, os policiais da Derf-VG chegaram até a identidade do suspeito, que é ex-funcionário de uma empresa de energia elétrica. Ele possui escada e apetrechos de instalação elétrica que eram colocados em um veículo Fiat Strada, adesivado para dissimular a prática de furtos.

O veículo utilizado pelo investigado está com ordem de busca e apreensão e as câmeras de segurança furtadas da empresa foram instaladas na própria residência do suspeito. Conduzido a Derf-VG, A.B.S., confessou o furto e disse que derreteu os cabos de energia furtados e vendeu o material pelo valor de R$ 1 mil para uma empresa do ramo de sucatas..

Segundo a delegada, Elaine Fernandes da Silva, o suspeito é investigado por cerca de 10 ocorrências de furto de cabeamento e também trabalhava com "Disk-gato", em que que os clientes ligavam para encomendar que a fraude na sua casa ou empresa.  O acusado responderá pela receptação de relógios medidores de energia, subtraídos da Energisa.

“É uma prática comum entre os “gateiros“, instalar relógios inativos para burlar a fiscalização, quando se aproxima a data da leitura retornam o relógio real. Assim ocorre o furto de energia por geralmente 20 dias, fazendo com que o contratante do “gato“ pague somente pelos dias restantes”, explicou a delegada.


Da Assessoria


 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE