Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Odebrecht diz que venceu contrato de R$530 mi do BRT Metropolitano; Governo do Pará nega

O Núcleo responsável pelo processo licitatório informou que somente irá divulgar o vencedor do certame após a conclusão da análise das propostas das empresas. O processo deve durar pelo menos 45 dias úteis.

 

A Odebrecht Engenharia e Construção divulgou uma nota na noite de sexta-feira (5) afirmando que venceu a licitação do Sistema Troncal de Ônibus da região metropolitana de Belém. De acordo com o Governo do Pará, a obra é orçada no valor de R$530 milhões. No entanto, o Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM) negou e disse que somente irá divulgar o vencedor do certame após a conclusão da análise das propostas das empresas, o que deve durar pelo menos 45 dias úteis.

O NGTM informou que a comissão responsável pelo processo começou, na sexta (5), a receber propostas de preço das empresas interessadas na execução das obras. Duas companhias se manifestaram e segundo o órgão apresentaram técnicas consideradas substancialmente adequadas, de acordo com diretrizes do agente financeiro, a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica).

"A próxima etapa do processo licitatório é a avaliação das propostas de preço, pela Comissão Especial de Licitação do NGTM. Portanto, (...) informa que somente será declarada a empresa vencedora do certame após a conclusão da análise das referidas propostas", disse NGTM em nota.

A Odebretcht disse que apresentou o menor preço entre os concorrentes, estimando o valor de R$384,6 milhões, que seria 26,5% inferior ao previsto no último edital de licitação pública internacional, publicado pelo Governo do Estado em agosto de 2017.

"A Odebrecht Engenharia e Construção concorreu com outros sete grupos empresariais, entre espanhóis, portugueses e chineses, em um processo de licitação com duas etapas: a primeira incluía proposta técnica, qualificação técnica e habilitação. A segunda fase compreendeu a proposta comercial, na qual a empresa apresentou menor preço entre as concorrentes", afirmou a empresa.

O diretor da Odebrecht, José Eduardo Quintella, disse que o "processo de licitação foi conduzido de acordo com as premissas de conformidade".

Fachada da sede da Odebrecht em SP (Foto: Kevin David/A7 Press/Estadão Conteúdo) Fachada da sede da Odebrecht em SP (Foto: Kevin David/A7 Press/Estadão Conteúdo)

Fachada da sede da Odebrecht em SP (Foto: Kevin David/A7 Press/Estadão Conteúdo)

A nota da empresa disse ainda que o projeto do Corredor BR-316 seria o segundo contrato conquistado no Brasil em 2018, após ter fechado contrato com a Eletrobras Furnas na Usina Termelétrica de Santa Cruz, no Rio de Janeiro.

A assessoria do NGTM informou, no entanto, que os relatórios somam cerca de 9 mil páginas e devem ser ainda minuciosamente analisados pela comissão responsável, o que deve durar cerca de 30 dias úteis. Após a análise, um relatório deve ser enviado em inglês para o agente financeiro, no Japão, que deve retornar no prazo previsto de 15 dias.

Ação Metrópole

O BRT Metropolitano faz parte do projeto de reconstrução da rodovia BR-316 para integrar a região metropolitana de Belém, sendo que primeiramente, Belém, Ananindeua e Marituba e, posteriormente, também o município de Benevides. O novo sistema de transporte urbano deve reduzir em cerca de 50% o tempo de viagem do destino ao centro de Belém e vice-versa.

O ponto inicial do BRT será o Terminal Marituba, localizado no km 10,7 da rodovia BR-316, próximo à Alça Viária, e permitirá a integração das linhas alimentadoras que vêm de Marituba. O terminal será composto por duas plataformas, sendo uma para as linhas troncais e outra para as linhas alimentadoras, área de expansão e de estocagem, praça e estacionamento para motos, veículos e bicicletas, possibilitando a integração desses usuários.

Já em Ananindeua, o terminal ficará no km 6,5 da Rodovia BR-316, em frente à sede Campestre da AABB. Será o principal ponto de integração das linhas alimentadoras de Ananindeua ao BRT. Esse terminal contará com acessos através de passagens subterrâneas para as linhas troncais, três plataformas para as linhas troncais e alimentadoras, área de expansão e de estocagem, estacionamento para motos, veículos e bicicletas, acesso à internet sem fio (Wi-Fi), praça e outra unidade da “Estação Cidadania”.

As obras incluem: duas pistas, com quatro faixas em cada uma delas - uma exclusiva para o BRT. Está prevista ainda uma nova iluminação de LED, nova drenagem, pavimentação, calçadas arborizadas, ciclovias bidirecionais nas duas extremidades, 13 passarelas para travessia de pedestres, paisagismo, 26 estações, dois terminais de integração, sendo um em Ananindeua e outro em Marituba, e um viaduto de quatro pétalas, em Ananindeua.

O projeto faz parte do Ação Metrópole que altera o sistema de transporte no trecho entre o Complexo do Entroncamento e o município de Marituba, região metropolitana de Belém; e que também inclui a construção de alternativas viárias à rodovia BR-316, como o prolongamento das avenidas João Paulo II e Independência; e a adequação de vias que integram a rede de transporte coletivo.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE