Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

A mulher de 77 anos coberta de tatuagens: '''O corpo é meu e faço o que eu quiser'''

Glenys Coope voltou a se interessar pela arte na pele depois que o marido faleceu.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

Glenys Coope, de 77 anos, reencontrou um amor antigo: a tatuagem.

Aos 20 anos, ela tinha tatuagens no rosto, no pescoço e nas mãos, mas removeu grande parte a pedido do marido, que não gostava.

"Ele gastou muito dinheiro para eu fazer a remoção por cirurgia plástica", conta.

Assista ao vídeo.

Coope voltou a flertar com a arte corporal depois que o marido morreu de câncer no pulmão, em 2014.

Desde então, já fez várias tatuagens pelo corpo. Entre seus temas preferidos, estão vampiros e lobisomens.

Mas uma das tatuagens, que carrega no peito, é em homenagem ao falecido marido.

"Está escrito 'WALY': Will always love you (Sempre vou te amar)."

Ela dá um conselho a outras mulheres mais velhas:

"Se você quer uma tatuagem, vá em frente. Não ligue para o que as outras pessoas dizem."

"O corpo é meu e faço o que eu quiser", completa.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE