Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

O milionário mercado dos produtos à base de maconha, ainda ilegais nos EUA

A substância encontrada na cannabis está crescendo em popularidade nos EUA, mas a indústria de bilhões de dólares continua atolada em uma área legal cinzenta.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

De óleo vaporizador a creme para alívio da dor, adesivos, gomas, doces variados em formato de ursinhos, cobras e arco-íris, além de cápsulas e compostos.

O canabidiol, ou CBD, é um extrato natural da cannabis sativa e está tão popular nos Estados Unidos que não é de se surpreender que ele esteja disponível em todos os lugares e seja aplicado no tratamento de inúmeras doenças.

Os usuários dizem que o usam para tudo, desde dores musculares e ansiedade à artrite, epilepsia e transtorno de estresse pós-traumático. Há óleo de CBD até para cachorros, e com sabor de bacon.

É uma indústria que espera faturar, segundo a consultoria Brightfield Group, US$ 5,7 bilhões (R$ 20 bilhões) em 2019 e US$ 22 bilhões (R$ 80 bilhões) até 2022. A diretora de pesquisa do grupo, Bethany Gomez, diz que a Web Holdings, maior acionista do setor, cresceu 172% em 2016-17 e estima ter faturado US$ 89 milhões (R$ 330 milhões) em 2018.

  • Califórnia se torna maior mercado legal de maconha do mundo

Até a gigante do setor de bebidas Coca-Cola afirmou estar "acompanhando de perto a popularização do CBD não psicoativo como ingrediente em bebidas funcionais no mundo". Um pedido para mais comentários sobre o assunto feito pela BBC Capital ficou sem resposta.

Gomez diz que, quando o Brightfield Group fez suas previsões do setor no início do ano passado ano, eles "levantaram as sobrancelhas". Mas, lembra ela, três dias depois, quando a imprensa publicou que a Coca-Cola estava interessada na indústria do CBD, a previsão fez mais sentido.

"Se você olhar para a soma total de produtos de CBD vendidos hoje, acrescentar as megalojas e as grandes farmácias que estão implorando para entrar… esperamos uma mudança muito rápida".

À frente da curva

Zsolt Csonka é um dos integrantes do crescente fã clube do CBD. Ele é fundador do Adriaen Block, um restaurante no Astoria de Nova York, o primeiro a servir produtos à base de CBD na cidade, como coquetéis e molhos.

Csonka garante que a bebida reduz o estresse e relaxa o estado de espírito. Ele cita seu próprio exemplo da dificuldade que tinha para dormir: "Quando passei a tomar duas bebidas de CBD ou adicionei gotas da substância no café, pude dormir e relaxar muito bem. Nunca venderia algo em que não acreditasse".

Mas ele ressalta que não se trata de uma cura ou um conselho milagroso. "Estamos apenas aprimorando a experiência dos clientes; criando um ambiente para reduzir a ansiedade e o estresse", afirma.

Compradores

Quem são os consumidores de CBD? Com base em uma pesquisa com cinco mil usuários realizada pela Brightfield no ano passado, os millennials foram os primeiros a começar a comprar produtos da CBD após sua legalização em vários Estados. Há um pico de usuários com idade por volta de 30 anos, mas o uso cai entre pessoas em torno de 40 anos (a geração X) e volta a crescer entre os baby boomers, que compram tinturas, cremes e cápsulas para usar em condições associadas ao envelhecimento, como artrite ou dor crônica.

Há também uma divisão razoavelmente equilibrada entre consumidores homens e mulheres - embora Gomez sugira que antes mais mulheres o compravam.

Ainda assim é preciso estar atento. Os produtos que contêm CBD estão por todos os EUA, mas comprá-lo ainda é uma violação da lei nos 50 Estados - com uma única exceção. Como isso é possível se a maconha recreativa foi legalizada em nove Estados? O problema está em um conflito entre as leis federais e estaduais e em como as pessoas enxergam dois tipos muito diferentes de maconha: marijuana (maconha) e hemp (cânhamo) - que são diferentes espécies da cannabis.

Dois extratos são os mais buscados na cannabis: o THC, que é a substância psicoativa, e o CBD, sem esse efeito. O cânhamo industrial contém menos de 0,3% de THC, mas pode conter altos níveis de CBD. A maconha, por outro lado, geralmente é cultivada exatamente por conta de seu conteúdo de THC.

Em suma, o cânhamo é completamente diferente da maconha, mas isso não impediu que ambas as espécies de cannabis fossem classificadas pela lei federal como drogas de cronograma 1 (perigosas) nos EUA nos anos 1970 - o mesmo que heroína e cocaína. E essa designação permanece até hoje.

Nos Estados em que é legal, os produtos que contêm THC devem ser cultivados, processados e vendidos apenas por empresas licenciadas pelas autoridades estaduais. O CBD, por outro lado, está disponível em todos os lugares, desde supermercados a postos de gasolina. Mas ele continua preso em uma área legal cinzenta.

Muitos varejistas acreditam que, desde que cumpram as regulamentações estaduais e não enviem seus produtos para além das fronteiras estaduais (o que constituiria tráfico de drogas), autoridades federais, como a agência de combate a drogas, a DEA, adotarão uma abordagem de não intervenção.

Um porta-voz da DEA confirmou à BBC Capital que o CBD, sob qualquer forma - incluindo o derivado de plantas de cânhamo - continua uma droga do cronograma 1 e, portanto, ilegal.

A única exceção, explicou, é uma droga chamada Epidiolex, que contém 98% de CBD e foi aprovada como medicamento para o tratamento da epilepsia infantil pela FDA, a agência de remédios dos EUA . Fabricado pela empresa britânica GW Pharmaceuticals, o Epidiolex é um medicamento de cronograma 5 - o mesmo que o remédio para tosse sem receita nos EUA.

Csonka, fundador da Adriaen Block, por exemplo, reconhece que a DEA pode invadir suas instalações - "e provavelmente eles o farão em algum momento" - mas ele diz que conhece profundamente os regulamentos do Estado, e o CBD que ele usa tem 0% de THC.

No Brasil, o ativismo de pais cujos filhos sofrem de condições graves de epilepsia foi o que acelerou a liberação do uso do CBD, ainda em 2015. Desde então, cerca de 80 mil unidades de produtos à base de maconha foram importados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a pedido de pacientes. Há regras rígidas para esse processo, e ainda não está liberado o comércio e a produção desses produtos no solo brasileiro.

Abordagem cautelosa

Como seu status legal nos EUA continua incerto, os potenciais investidores na indústria de CDB, embora empolgados com a oportunidade de lucro, estão cautelosos.

Apesar de o mercado de CBD dos EUA ter contabilizado US$ 367 milhões (R$ 1,36 bilhão) em vendas no varejo a uma taxa de crescimento de 39% no ano passado, a indústria continua volátil, segundo o Hemp Business Journal. Tilray, produtor de maconha medicinal, viu suas ações subirem 30% em setembro, mas caírem os mesmos 30% até o final da mesma semana.

Enquanto isso, a Forbes chamou o hype de estoques de maconha de "irrisório" e disse que a Apple ainda é um investimento melhor do que a maconha. O que pode fortalecer ou quebrar essa indústria são mudanças na lei federal.

O destino do CBD poderia, finalmente, ser decidido por um político: o republicano de 76 anos de Kentucky e líder do Senado, Mitch McConnell. No início de 2018, McConnell anexou uma medida ao Farm Bill do Senado, uma legislação que cobre a agricultura e a política alimentar nos EUA. O Ato do Plantio de Maconha removeria o cânhamo industrial da lista de substâncias controladas. Se aprovada, de acordo com Bethany Gomez, "isso aprovaria totalmente o cânhamo e seus derivados - incluindo o CBD - tornando-o 100% legal para a venda".

E em relação à ciência? Para uma droga que presumidamente controlaria de dor crônica a depressão, além de inúmeras outras condições, supõe-se que vários estudos sólidos têm comprovado sua eficácia. Mas não é bem assim. A ciência ainda não acompanhou a crescente popularidade do CBD.

Mas isso não quer dizer que ele não tenha potencial. Igor Grant, presidente do departamento de psiquiatria e diretor do centro de pesquisa de maconha medicinal da Universidade da Califórnia, em San Diego, disse à BBC que existem alguns indícios promissores para seu futuro uso na medicina.

Relatórios sugerem que o CBD tem propriedades anti-ansiedade, anti-inflamatórias e até mesmo antipsicóticas. E Grant diz que há alguns estudos pequenos com resultados promissores sobre seu uso para tratar a esquizofrenia."É algo digno de acompanhamento", afirma, embora acrescente que os dados ainda não comprovem que o CBD definitivamente ajuda pessoas com esquizofrenia.

"O CBD provavelmente tem ações anti-inflamatórias [e pode ajudar com] doenças inflamatórias do intestino, como doença de Crohn ou condições neurológicas que têm algum componente inflamatório", explica.

Grant descreve-os como indicadores para o seu potencial uso e para onde se dirige a comunidade médica, mas, pede cautela. Também não há base científica para o uso de CBD em bebidas funcionais à base de frutas, acrescenta.

"Isso não significa que não funcione, nós simplesmente não sabemos", diz Grant. "Eu diria que o Valium também ajuda na ansiedade. Mas deveríamos colocar um pouco dele na Coca-Cola e fazer as pessoas relaxarem?".

A primeira coisa, diz, é garantir que as leis estaduais e federais estejam em harmonia. "Vamos esperar que a ciência surja. A partir daí vamos ter informações para aconselhar o público".

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE