Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Brasileiros que vivem na Venezuela falam de euforia após Guaidó se declarar presidente interino

Isso me preocupa porque pode gerar uma desilusão catastrófica , diz publicitário brasileiro que vive em Caracas, que vê um situação ainda totalmente indefinida no país vizinho. Oposição convocou novos protestos para esta terça 12 .

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

Brasileiros que vivem na Venezuela ouvidos pelo G1 observam que parte da população do país passa por uma onda de euforia e de esperança depois que o líder da oposição e presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autodeclarou presidente interino e prometeu organizar eleições gerais.

Nesta terça-feira (12), os venezuelanos insatisfeitos com o rumo do regime de Nicolás Maduro devem voltar às ruas atendendo a uma nova convocação de Guaidó. Os opositores querem incentivar os militares a permitir a entrada da ajuda humanitária internacional que está parada na Colômbia após a ponte fronteiriça de Tienditas ser bloqueada.

Para o publicitário brasileiro Bobby Coimbra, que vive há 30 anos na Venezuela, o país vive um clima de euforia que não tem sentido uma vez que enfrenta uma “total indefinição” da situação política.

“Está todo mundo eufórico, esperançoso. Já tem gente fazendo planos para o dia que montarem um novo governo. Mas para mim é uma alegria completamente sem sentido, porque estamos vivendo uma situação de total indefinição. Isso me preocupa um pouco, porque pode gerar uma desilusão, que é catastrófica”, afirma.

Guaidó se autodeclarou presidente em 23 de janeiro durante uma grande manifestação em Caracas e pegou a própria oposição de surpresa.

Autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, fala durante reunião com estudantes em universidade de Caracas, na sexta-feira (8)  — Foto: Ariana Cubillos/ AP Autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, fala durante reunião com estudantes em universidade de Caracas, na sexta-feira (8)  — Foto: Ariana Cubillos/ AP

Autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, fala durante reunião com estudantes em universidade de Caracas, na sexta-feira (8) — Foto: Ariana Cubillos/ AP

A iniciativa ganhou o apoio de mais de 40 países, entre eles, os Estados Unidos, Brasil e nações europeias, e trouxe um novo ânimo para oposição, que viu nos últimos meses Maduro ser reeleito em um processo eleitoral contestado e tomar posse para mais um mandato.

  • Veja o que muda com o apoio internacional a Guaidó

Maduro se diz vítima de uma tentativa de golpe articulada pelos Estados Unidos e considera a oferta de ajuda humanitária uma “invasão estrangeira”.

Além da crise política, a Venezuela enfrenta uma grave crise econômica, que dificulta o abastecimento nos supermercados e farmácias. Em 2018, a inflação em 12 meses chegou a 2.500.000%, segundo a Assembleia Nacional venezuelana. A ONU estima que mais de dois milhões de venezuelanos deixaram o país nos últimos três anos.

Imigrante venezuelano faz carrinho com cédulas de dinheiro desvalorizado do seu país, em imagem de arquivo  — Foto: Fernando Vergara/AP Imigrante venezuelano faz carrinho com cédulas de dinheiro desvalorizado do seu país, em imagem de arquivo  — Foto: Fernando Vergara/AP

Imigrante venezuelano faz carrinho com cédulas de dinheiro desvalorizado do seu país, em imagem de arquivo — Foto: Fernando Vergara/AP

'Inusitado'

“É algo inusitado. É um país que tem duas supremas cortes de justiça, duas assembleias e agora dois presidentes, mas é um país que continua supostamente caminhando. Não acredito que exista uma situação similar em algum lugar do mundo”, observa o publicitário.

Embora Guaidó tenha se declarado presidente, o comandante de fato do país segue sendo Nicolás Maduro, que conta com o apoio das Forças Armadas, e se recusa a atender o clamor internacional por eleições presidenciais.

Quando fala em “duas supremas cortes”, o empresário faz referência à Suprema Corte no Exílio, criada pelo Parlamento, em oposição ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), que é acusado de servir aos interesses chavistas.

O país também conta teoricamente com duas assembleias. Em uma manobra de Maduro para driblar as ações da Assembleia Nacional, que desde de 2016 é controlado pela oposição, em 2017 a Assembleia Constituinte, formada por chavistas, assumiu os poderes legislativos.

Maduro anunciou reforços na Forças Armadas, em imagem de arquivo — Foto: Reuters Maduro anunciou reforços na Forças Armadas, em imagem de arquivo — Foto: Reuters

Maduro anunciou reforços na Forças Armadas, em imagem de arquivo — Foto: Reuters

'Salvador da Pátria'

Guaidó aparece como uma figura nova no espectro político venezuelano, embora tenha sido eleito presidente da Assembleia Nacional no início de 2019.

Coimbra avalia que, em um certo momento, a oposição tinha o mesmo nível de rejeição do governo.

“Ninguém mais aguentava aqueles discursos desgastados. Então, surge uma pessoa nova, que tem o seu carisma, é bonito, tem uma bonita esposa - aquele estereótipo que agrada a muitos venezuelanos. Esse jovem fez surgir uma esperança, uma alegria”, observa.

Para a brasileira Patrícia*, que se mudou para Caracas com o marido e dois filhos devido a uma oportunidade profissional, ele é visto por parte dos venezuelanos como “se fosse o salvador da pátria”.

“Ele apareceu do nada, em 20 dias já fez muita coisa e já conseguiu o apoio internacional. E muitos venezuelanos estão eufóricos, porque acreditam que vai ter mudança”, afirma.

Juan Guaidó é saudado por apoiadores após sair da missa em igreja de Caracas, na Venezuela  — Foto: Rodrigo Abd/AP Juan Guaidó é saudado por apoiadores após sair da missa em igreja de Caracas, na Venezuela  — Foto: Rodrigo Abd/AP

Juan Guaidó é saudado por apoiadores após sair da missa em igreja de Caracas, na Venezuela — Foto: Rodrigo Abd/AP

Manifestações pacíficas

Os dois brasileiros também observaram uma redução nos confrontos durante as manifestações populares com relação àquelas ocorridas em 2017.

“Aquela agressividade policial que a gente via, caminhões atirando água, policiais jogando bombas de gás lacrimogêneo, que fazia a gente sair do escritório usando máscara, isso não ocorreu mais”, afirma o empresário.

  • Máscara de gás, falta de remédios, solidariedade: brasileiros contam como é morar na Venezuela

Coimbra observou que, na semana passada, manifestantes não tentaram invadir a base militar que fica em frente ao seu escritório, como sempre ocorria em 2017, e as forças de segurança também tiveram uma participação discreta durante o protesto. “Parece que existe um acordo tácito entre as duas partes: eu não invado, mas você também não me agride”, afirma.

Patrícia também disse ter percebido que as pessoas não estão com medo de se manifestar e que as forças de segurança demonstram maior tolerância.

“O clima está muito melhor do que em 2017, quando eu cheguei a sair do país. Os militares estão deixando os manifestantes passarem tranquilamente. Houve uma mudança por parte dos militares”, afirma.

À noite, depois dos protestos da semana passada, houve relatos de violência nos bairros pobres da periferia de Caracas -- tradicionais redutos chavistas.

A brasileira afirma que aparentemente o conflito foi provocado porque nessas regiões algumas pessoas teriam passado a apoiar Guaidó e entrado em confronto com os vizinhos.

Venezuela tem dia de manifestações contra e a favor de Maduro. Na imagem, opositores ao governo chavista se reúnem em Caracas — Foto: AP Photo/Fernando Llano Venezuela tem dia de manifestações contra e a favor de Maduro. Na imagem, opositores ao governo chavista se reúnem em Caracas — Foto: AP Photo/Fernando Llano

Venezuela tem dia de manifestações contra e a favor de Maduro. Na imagem, opositores ao governo chavista se reúnem em Caracas — Foto: AP Photo/Fernando Llano

Situação limite

Do ponto de vista de Coimbra e Patrícia, a situação política na Venezuela chegou a um limite e deve haver alguma mudança, embora ainda seja cedo para prever os próximos capítulos da tensa situação política venezuelana.

“Está todo mundo na expectativa. Para mim, vai haver uma mudança logo mesmo. Eu acho que o chavismo não vai resistir, porque a pressão está muito forte. Se tentarem uma nova eleição, eu acho que eles vão tentar fazer com que seja fraudulenta, mas acho que a presença internacional não vai deixar”, afirma Patrícia.

O publicitário Coimbra avalia que a vida política do país pode seguir dois rumos.

  • Maduro x Guaidó: veja fatores que favorecem cada lado na disputa pelo poder na Venezuela

“Chegamos a um limite. Ou haverá o endurecimento do regime e vamos ter ‘uma Coreia do Norte’ aqui na América do Sul ou teremos um regresso àquela democracia que a gente está sempre buscando”, diz.

Face às especulações de que os Estados Unidos poderiam intervir militarmente no país, os brasileiros afirmam que o medo de um confronto violento está muito presente.

“Todo mundo teme um confronto até porque Maduro tem o apoio da Rússia. Volta e meia você escuta falar que tem um avião russo, um navio russo no Caribe. Ninguém sabe. Está todo mundo na expectativa do que vai acontecer”, conta Patrícia.

Manifestante da oposição participa de ato em Caracas, na Venezuela, em 2 de fevereiro — Foto:  Fernando Llano/ AP Manifestante da oposição participa de ato em Caracas, na Venezuela, em 2 de fevereiro — Foto:  Fernando Llano/ AP

Manifestante da oposição participa de ato em Caracas, na Venezuela, em 2 de fevereiro — Foto: Fernando Llano/ AP

“Existe a possibilidade de a Venezuela ser invadida. Do meu ponto de vista otimista, seria menos preocupante se houvesse uma revolta interna –- mesmo que ela recebesse apoio de outros países— porque se trataria de os venezuelanos resolvendo seus problemas internamente. Seria menos traumático”, afirma Coimbra.

Coimbra gostaria que tudo fosse resolvido através do diálogo, mas reconhece que acha “quase impossível” que isso aconteça.

“Aqui não se admite intercâmbio de opiniões. Eu tenho a minha opinião e se você não concordar comigo não pode fazer parte do meu grupo de amigos. É o país da intransigência. Como pode o governo dialogar com a oposição se a própria sociedade não se dá ao luxo de poder conversar?”, indaga.

Mulher passa ao lado de muro com a inscrição ‘Não ao golpe de Estado’ em imagem de arquivo  — Foto: Rodrigo Abd/AP Mulher passa ao lado de muro com a inscrição ‘Não ao golpe de Estado’ em imagem de arquivo  — Foto: Rodrigo Abd/AP

Mulher passa ao lado de muro com a inscrição ‘Não ao golpe de Estado’ em imagem de arquivo — Foto: Rodrigo Abd/AP

*Nome fictício a pedido da entrevistada

JUAN GUAIDÓ SE DECLARA PRESIDENTE DA VENEZUELA

  • Oposicionista faz juramento como 'presidente interino'

  • Maduro nega deixar poder: 'Vamos ao combate'

  • Saiba quais países reconhecem Guaidó como presidente interino

  • Bolsonaro declara apoio a Guaidó

  • União Europeia defende novas eleições

  • Como a Venezuela chegou à situação atual?

  • Veja fatores que favorecem cada lado na disputa pelo poder na Venezuela

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE