Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Pacientes em tratamento de lúpus denunciam falta de medicamento

Remédio não está sendo distribuído gratuitamente há dois meses. Sespa informa que estoque do medicamento está regularizado

 
 -   /
/ /

A Associação de Pessoas com Lúpus do Pará realizou nesta sexta-feira (10) um evento na Praça da República para celebrar o Dia Internacional de Atenção à Pessoa com Lúpus. No evento, as pessoas recebem orientações sobre a doença, de como identificar, tratar e até mesmo os benefícios sociais que o cidadão com a doença tem.

O lúpus é uma doença autoimune inflamatória crônica que faz com que o sistema imunológico do paciente ataque e destrua tecidos saudáveis do organismo erroneamente. Há mais de 100 tipos de doenças autoimunes e o lúpus eritematoso sistêmico (LES) é um dos tipos mais comuns, podendo afetar o cérebro, as articulações, os rins e principalmente a pele.

De acordo com a presidente Lidiane Rocha, há muitas pessoas que estão com a doença, mas não sabem e não fizeram diagnostico. Além disse, há um desconhecimento da população sobre o lúpus que prejudicar até na forma de como deve ser encarada e tratada a doença.

“Tem muitos pacientes que não conhecem a doença. A população pensa que o Lúpus é contagioso, e não é, é mito. A população pensa que o lúpus é um tipo de câncer, e também não é. A partir disso a gente resolveu criar essa associação para dar força, para dar voz. E através da associação a gente busca os nossos direitos, a gente orienta esses pacientes em relação a medicamentos, benefícios e a carteira”, explicou Lidiane Rocha.

Medicamento micofenolato de mofetila 500mg serve para tratamento de lúpus — Foto: Divulgação Medicamento micofenolato de mofetila 500mg serve para tratamento de lúpus — Foto: Divulgação

Medicamento micofenolato de mofetila 500mg serve para tratamento de lúpus — Foto: Divulgação

Diagnosticada com a doença há cinco anos, Maria Graciane Braga morava no interior de Curuçá quando começou a emagrecer e perder o cabelo. Ela se mudou para Belém para ter acesso ao medicamento que é distribuído gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas nos últimos dois meses está em falta. Ela precisa tomar quatro comprimidos todos os dias para controlar os sintomas da doença.

“A falta desse medicamento micofenolato está sendo um transtorno muito grande na vida de pacientes. Muito grande mesmo. Eram para ter muitas mulheres aqui. Elas não estão aqui hoje porque estão impossibilitadas, estão acamadas, elas não tiveram mais condições de vir. Eu ainda estou aqui, dou conta de andar para vir fazer esse apelo", desabafou a paciente.

A falta de tratamento do lúpus pode levar ao paciente a problemas renais severos. Segundo a reumatologista Rosana Cruz, um paciente em estado avançado da doença pode necessitar de hemodiálise.

"Se faltar a medicação é mais rápido que a gente vê a piora do quadro. Em poucas semanas o paciente já volta a ficar sintomático. Um dos quadros que mais preocupa no Lupus é o acometimento dos rins, que é a famosa nefrite lúpica. A nefrite lúpica tem algumas regras para o tratamento e essas regras têm que ser seguidas pelos reumatologistas. Se essa medicação faltar, o paciente, com certeza, pode evoluir de forma grave, podendo evoluir inclusive para a perda total da função renal e no caso necessitar hemodiálise", explicou a médica.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) informou que o medicamento Micofenolato de Mofetila 500mg, que também é utilizado no tratamento da doença do Lupus é adquirido e fornecido pelo Ministério da Saúde e está com o estoque regularizado.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE