Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Donald Trump anuncia que favorecerá imigração de mão de obra qualificada aos EUA

Presidente dos EUA prometeu revisar regime de concessão do Green Card e disse que pedidos de asilo só serão concedidos a quem tiver motivo real.

 
 -   /
/ /

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta quinta-feira (16) um novo plano para conter a migração ilegal no país e favorecer a entrada de migrantes profissionalmente qualificados. Em discurso na Casa Branca, ele afirmou que a medida "causará inveja no mundo inteiro".

Veja o que Trump prometeu:

  • Revisar o regime de concessão do Green Card – permissão definitiva para viver e trabalhar nos EUA – para favorecer migrantes profissionalmente qualificados.
  • Agilizar a análise dos pedidos de asilo.
  • Continuar a construção do muro na fronteira com o México.
  • Menores que entram desacompanhados nos EUA serão reunidos com as famílias para voltar ao país de origem.

Imigração 'por mérito'

Funcionário organiza fila em aeroporto de Atlanta, nos EUA — Foto: Elijah Nouvelage/Reuters Funcionário organiza fila em aeroporto de Atlanta, nos EUA — Foto: Elijah Nouvelage/Reuters

Funcionário organiza fila em aeroporto de Atlanta, nos EUA — Foto: Elijah Nouvelage/Reuters

Trump anunciou a criação do visto "Build America" – "Construa a América", em uma tradução livre. O sistema passa a se basear em pontuações de acordo com a qualificação profissional do requerente.

Para obter o visto, o migrante terá de comprovar proficiência em inglês e passar em um teste com questões cívicas, anunciou o presidente. Ele disse que a medida prioriza estrangeiros "mais jovens" e com "maior capacidade de gerar renda", mas não detalhou quais formações serão exigidas.

"Esse plano vai reforçar nossa tradição, nossa cultura e nossos valores", disse Trump.

Trump prometeu também que o novo sistema migratório também vai favorecer os melhores alunos das boas escolas pelo mundo e jovens imigrantes talentosos. "Muitos dos alunos excepcionais não estão ficando aqui porque não há quem os custeie", disse.

O republicano justificou a medida pela dificuldade das empresas norte-americanas em encontrar mão de obra qualificada.

Pedidos de asilo

Migrantes de Cuba entram em fila na fronteira do México com os EUA para pedir asilo — Foto: Jose Luis Gonzalez/Reuters Migrantes de Cuba entram em fila na fronteira do México com os EUA para pedir asilo — Foto: Jose Luis Gonzalez/Reuters

Migrantes de Cuba entram em fila na fronteira do México com os EUA para pedir asilo — Foto: Jose Luis Gonzalez/Reuters

O norte-americano também prometeu celeridade na análise dos pedidos de asilo. Isso porque vários dos imigrantes da América Central que chegam pela fronteira afirmam que correm risco nos países de origem – o que, segundo o presidente, nem sempre é verdade.

"Se você tem um motivo real [para pedir asilo], você será rapidamente atendido. Se não, será mandado para fora", afirmou Donald Trump.

Recentemente, as autoridades norte-americanas cobraram medidas para interromper o fluxo na fronteira entre os EUA e o México, especialmente com as caravanas de migrantes da América Central.

Balanço divulgado no começo de maio mostrou que as autoridades detiveram 460.294 imigrantes ilegais na fronteira com o México somente entre outubro e abril, segundo dados do Escritório de Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP). O número já é maior que o registrado em 2009 e representa um novo recorde de detenções na região.

Emergência nacional por muro

No seu primeiro pronunciamento de 2019 na Casa Branca, Donald Trump disse que a migração na fronteira com o México estava provocando uma 'crise humanitária' — Foto: Guillermo Arias/AFP No seu primeiro pronunciamento de 2019 na Casa Branca, Donald Trump disse que a migração na fronteira com o México estava provocando uma 'crise humanitária' — Foto: Guillermo Arias/AFP

No seu primeiro pronunciamento de 2019 na Casa Branca, Donald Trump disse que a migração na fronteira com o México estava provocando uma 'crise humanitária' — Foto: Guillermo Arias/AFP

Trump declarou em fevereiro uma emergência nacional na fronteira, uma medida tomada após o Congresso negar a destinação de recursos para a construção do prometido muro na fronteira americana com o México.

A Câmara dos Representantes e o Senado aprovaram uma resolução que revertia a declaração de emergência de Trump, mas o presidente exerceu o poder de veto para manter o status na fronteira.

Líder da oposição protesta

Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, lidera ofensiva da oposição contra muro de Donald Trump — Foto: Emmanuel Dunand/AFP Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, lidera ofensiva da oposição contra muro de Donald Trump — Foto: Emmanuel Dunand/AFP

Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, lidera ofensiva da oposição contra muro de Donald Trump — Foto: Emmanuel Dunand/AFP

A presidente da Câmara e líder oposicionista, Nancy Pelosi, criticou o novo plano migratório de Trump, principalmente as propostas de deter famílias de imigrantes clandestinos na fronteira e endurecer a política de pedidos de asilo. "É, em outras palavras, morte na chegada [aos EUA]", escreveu.

"Esse plano de morte na chegada não é nem remotamente uma proposta séria", acusou Pelosi, em nota.

Pelosi também rechaçou a ideia de que a proposta de Trump se baseia "em méritos". "Dizer isso é o cúmulo da condescendência", afirmou.

"Queremos trabalhar com a Casa Branca por soluções sérias e inteligentes, que reflitam os interesses e valores da nação", completa a nota.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE