Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Atualidades

Medicações modernas para esquizofrenia têm menos efeitos colaterais

Tratamento prolongado depende de adesão do paciente, que também sofre com estigma social, diz psiquiatra

 
jorusp

download do áudio Hoje, 24 de maio, é o Dia Mundial da Pessoa com Esquizofrenia. A data destaca o desafio de tratar a doença, buscando entender e discutir a redução das barreiras do estigma e criar oportunidades de superação.“Esperança Realista e Possibilidades na Vida com Esquizofrenia”, o lema da campanha deste ano, convida à reflexão. Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), 23 milhões de pessoas no mundo sofrem com a doença. A desinformação sobre o transtorno gera uma série de equívocos em relação ao comportamento dos pacientes. Muitos acham que eles são perigosos, violentos e inaptos para o convívio.

O psiquiatra Helio Elkis, coordenador do programa de Esquizofrenia do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina, conta ao Jornal da USP no Ar que a doença tem tratamento eficaz. “A esquizofrenia é um transtorno psiquiátrico como qualquer outro. Afeta áreas como pensamento, percepção, expressão dos afetos ou capacidade de raciocínio da pessoa”, explica. Sua causa é a falta de dopamina, neurotransmissor sintetizado nas glândulas suprarrenais. “Tudo isso é tratável com remédio, os antipsicóticos. Quanto mais cedo a intervenção, melhor. Há, ainda, terapêuticas paralelas como a psicoterapia, terapia ocupacional e o treino de habilidade social. A orientação familiar também é fundamental”, explica.

Estigmas partem tanto da sociedade como do paciente. “É natural que algumas pessoas tentem superar a condição, sem o uso do remédio. Existem aqueles que temem os efeitos colaterais da medicação, outros que simplesmente não gostam de se medicar, no entanto, os antipsicóticos são o melhor tratamento, de acordo com testes clínicos”, afirma Elkis. E, atualmente, os fármacos aplicados à esquizofrenia já não causam muitos efeitos paralelos. “Um receio comum é relacionado à perda de libido. Porém, os antipsicóticos de segunda geração quase não têm essa consequência. Os antidepressivos, encarados com muito mais normalidade, podem causar os mesmos sintomas”, argumenta o psiquiatra.

Logo que diagnosticado, é receitado um único antipsicótico à pessoa com esquizofrenia. O médico responsável acompanha o paciente de quatro a seis semanas. Caso o tratamento não seja efetivo, substitui-se a medicação e mantém-se a supervisão por mais cerca de um mês. Se os sintomas permanecerem, é indicado um remédio chamado clozapina. “Ela é uma substância que existe desde os anos 70 e tem uma eficácia muito grande. É aplicada ao que chamamos de padrão resistente de esquizofrenia. E também não tem efeitos sobre a libido da pessoa”, declara Elkis. Nos poucos casos em que a clozapina não é efetiva, são aplicadas outras terapêuticas não medicamentosas. Uma pesquisa recente testa os efeitos da estimulação elétrica do cérebro, a eletroconvulsoterapia.

O foco principal da campanha deste dia 24 é a redução do preconceito quanto ao transtorno. “Como diz a Associação Brasileira de Psiquiatria, psicofobia é crime. E é uma doença psiquiátrica como qualquer outra e com tratamento. Todos precisam saber disso”, alega o médico.

jorusp

jQuery(document).ready(function($) { $.post('https://jornal.usp.br/wp-admin/admin-ajax.php', {action: 'wpt_view_count', id: '247827'}); });

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE