Variedades

Variedades

Fechar
PUBLICIDADE

Variedades

Aos 80 anos, Dona Onete leva Pará ao Rock in Rio: '''Canto carimbó, bolero, rock. Faço o que eu quiser'''

Cantora transformou hobby em carreira depois dos 60 e diz que não se rende ao mercado. Ela comandará encontro paraense: Quando chego, o povo até me pede em casamento .

 
 -   /
/ /

Quando não está cantando, Dona Onete gosta de contar histórias.

Narra, por exemplo, a época em que atravessava de canoa o banzeiro - agitação das águas provocada por alguma embarcação - para cantar para os botos na beira do rio.

Também fala do momento em que recusou o contrato com uma grande gravadora para não se render às demandas do mercado.

"Não assinei para não cantar o que eles querem que eu cante. Eles espremem a gente que nem laranja", diz ao G1. "Quero cantar o que é meu, da nossa terra. Não tenho pressa."

Não mesmo, afinal ela já esperou mais de meio século para transformar o hobby em carreira.

Natural da pequena Cachoeira do Arari (PA) e ex-professora de história, Ionete da Silveira Gama foi descoberta quando já estava aposentada, enquanto cantava numa festa de carimbó.

"Naquela época, o carimbó era só de homem, mulher não entrava. E eu consegui."

Ficou mais conhecida quando fez uma ponta no filme "Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios" (2011), protagonizado por Camila Pitanga.

Desde então, lançou quatro álbuns - o mais recente, "Rebujo", saiu neste ano. Aos 79, é considerada diva do carimbó "chamegado", que tem influência do bolero. "Tinha uma vaga do bolero vazia. Acho que ocupei, ganhei esse espaço."

'Pitú' em tudo

Para Fafá de Belém, Onete "simboliza, mais do que ninguém, o que é o Pará: uma mulher que, aos 60 anos, dá um 'pitú' em tudo" para viver de música.

  • 'Sofri menos bullying por ser mulher que por ser do Norte', diz Fafá de Belém ao G1

As duas amigas costumam se encontrar para bater papo e cantar juntas. Também se verão na edição deste ano do Rock in Rio, quando subirão ao palco Sunset para uma apresentação dedicada à música paraense, o Pará Pop.

Lucas Estrela, Fafá de Belém, Dona Odete, Gaby Amarantos e Jaloo em evento do Rock in Rio 2019 — Foto: Divulgação Lucas Estrela, Fafá de Belém, Dona Odete, Gaby Amarantos e Jaloo em evento do Rock in Rio 2019 — Foto: Divulgação

Lucas Estrela, Fafá de Belém, Dona Odete, Gaby Amarantos e Jaloo em evento do Rock in Rio 2019 — Foto: Divulgação

Gaby Amarantos e Jaloo, cantores de gerações mais recentes, e o guitarrista Lucas Estrela também participarão do encontro. Onete vai comandar a festa.

Ela, uma septuagenária, tem um dos nomes mais celebrados da nova geração de artistas paraenses. Eles têm redefinido os sons do estado, sem tirar os pés do chão.

Encantou Caetano Veloso e David Byrne em um show em Nova York e mostrou comida paraense na Austrália. "Quando eu chego, o povo até me pede em casamento", brinca. Amarantos, Fafá e Daniela Mercury estão entre os artistas que já gravaram composições suas.

"Eu canto carimbó, bolero, rock. Faço o que eu quiser. Não sei o que desce na minha cabeça para fazer uma coisa assim... uma mulher da minha idade."

Dona Onete Banzeiro — Foto: Divulgação Dona Onete Banzeiro — Foto: Divulgação

Dona Onete Banzeiro — Foto: Divulgação

Com 80 anos, ela conta que só sai de casa se for "para provocar". E diverte-se com sua presença na programação de um festival de rock.

"Aconselhei tanto os meus alunos a não se meterem com rock. Hoje faço todo tipo de música, até rock. E estou indo para o Rock in Rio."

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE