Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Treinamento

Simulado de resgate do Hospital Metropolitano mobiliza equipes de socorro em Belém

 

Na manhã deste sábado, 30, o Parque de Exposições do Entroncamento, em Belém, foi o cenário escolhido para realização do simulado de um acidente de grandes proporções e com 30 vítimas. Ao todo, foram mobilizados 500 profissionais nesta ação.

O simulado faz parte do treinamento programado pelo Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), gerenciado pela Pró-Saúde, em parceria com a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Forças Armadas, Cruz Vermelha e Prefeitura de Belém.

O coordenador Médico do Pronto Atendimento do Hospital Metropolitano, José Gabriel Guataçara, explica que o treinamento é de fundamental importância para integração dos diferentes órgãos envolvidos nas operações de resgate. “Anteriormente fizemos a parte teórica e hoje viemos fazer a prática, por meio deste acidente de ônibus com múltiplas vítimas. Agora, durante o atendimento de emergência, é importante cada um cumprir a sua responsabilidade e avançarmos na atuação conjunta”, ponderou.

Para evitar impactos no trânsito da região, a simulação do acidente foi realizada no interior do Parque de Exposições. Na oportunidade, o Hospital Metropolitano promoveu o atendimento das vítimas. O treinamento teve como objetivo capacitar a equipe formada por multiprofissionais, bem como conscientizar a população sobre a necessidade de medidas preventivas no trânsito.

Segundo o diretor Técnico do HMUE, Cláudio Nunes, a intenção é transformar essa simulação em uma prática contínua, avaliando todas as ações e medidas tomadas para aperfeiçoar a capacitação dos profissionais da unidade hospitalar. “O treinamento é perfeitamente factível. Se a equipe não tiver capacitada, o processo de atendimento pode ser esquecido. Por isso, é necessário haver continuação desses treinamentos. Nosso objetivo será desenvolver e atualizar essa ação a cada seis meses, mobilizando mais profissionais para participarem”, declara.

Além da participação dos órgãos envolvidos, a simulação teve a contribuição de voluntários que atuaram enquanto vítimas do acidente. O bombeiro Cristian Albuquerque foi um deles e conta como foi a experiência de estar do outro lado do resgate.

“É a minha primeira vez na simulação e como voluntário. Foi uma experiência incrível, porque você ver o dinamismo como se fosse uma situação real. Como vítima, você tem a vivência, entende mais sobre o tempo de espera e resposta na atuação do corpo assistencial, e entende o quanto esse trabalho é importante, pois você adquire a consciência e se põe no lugar do socorrista, auxiliando na didática” comenta.

Cenas da simulação

No cenário da simulação, uma caminhonete e um ônibus se colidiram e um deles atingiu um ponto de ônibus com diversas pessoas. Em seguida, as forças de segurança e resgate realizaram os atendimentos e transporte necessários. Na oportunidade, as vítimas que foram classificadas com maior risco de morte foram levadas ao Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência.

Sobre o HMUE

Referência no tratamento de média e alta complexidades em traumas e queimados para a região Norte pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), localizado em Ananindeua (PA), dispõe de 198 leitos operacionais nas especialidades de traumatologia, cirurgia geral, neurocirurgia, clínica médica, pediatria, cirurgia plástica exclusivo para pacientes vítimas de queimaduras, além de leitos de UTI.

O HMUE recebe pacientes da Região Metropolitana de Belém, dos diferentes municípios do Pará e também de outros estados. Em 2018, realizou mais de meio milhão de atendimentos, entre internações, cirurgias, exames laboratoriais e por imagem, atendimentos multiprofissionais e consultas ambulatoriais.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE