Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Vitórias-régias viram atração turística e base para receitas gastronômicas no Pará

Dulce Oliveira e o esposo montaram jardim com a planta aquática no Canal do Jari, em Santarém. Espaço é visitado por turistas do mundo todo.

 
 -   /
/ /

A beleza das vitórias-régias, planta aquática típica da região amazônica, foi o que levou a ex-marinheira mercante Dulce Oliveira a utilizá-las para formar um jardim diferente em frente à casa dela, no Canal do Jari, braço do Rio Amazonas, no município de Santarém, no oeste do Pará.

Em 2014, a ex-marinheira mercante foi morar na comunidade de várzea junto com o esposo, que é natural da região. E ao chegar lá, surgiu a ideia de plantar a vitória-régia para enfeitar a frente da residência do casal. Mas as coisas foram tomando uma proporção muito grande e o espaço começou a virar atração turística para todos que decidiam visitar o Canal do Jari, distante 23 quilômetros da zona urbana de Santarém.

Mas só o jardim não bastou para Dulce, que começou, por conta própria, a estudar a planta e experimentá-la como base para receitas gastronômicas.

“Antes, eu já havia estudado um pouco sobre ela, mas o plantio mesmo começou em setembro de 2014. Me casei com um nativo, seria muito difícil levá-lo daqui, então resolvi me mudar para cá. Começamos a cultivar a vitória-régia e percebi que os animais se alimentavam da planta", explicou a empreendedora, dona do Jardim das Vitórias-Régias.

"Aprendi na Marinha Mercante que se três espécies ou mais de animais se alimentam de determinada planta, nós seres humanos também podemos comer”.

Os testes de Dulce resultaram, até agora, em 20 receitas. Entre elas, rabanada, tempurá, vinagrete, quiche, pipocas e até as “vitórias-chips”, como as batatas-fritas, só que produzidas a partir das plantas amazônicas. Até conserva já é produzida com as vitórias-régias. E o melhor, a cozinheira usa praticamente todas as partes da planta em seus experimentos gastronômicos. Caule, folhas, flores, sementes. Tudo vira um prato delicioso nas mãos de Dulce.

Dulce Oliveira desenvolveu 20 receitas gastronômicas com base na vitória-régia — Foto: Zé Rodrigues/TV Tapajós Dulce Oliveira desenvolveu 20 receitas gastronômicas com base na vitória-régia — Foto: Zé Rodrigues/TV Tapajós

Dulce Oliveira desenvolveu 20 receitas gastronômicas com base na vitória-régia — Foto: Zé Rodrigues/TV Tapajós

“Varia, dependendo da época. Atualmente, por exemplo, não temos à disposição as sementes. Mas usamos sim, tudo”, ressaltou Dulce.

E a experiência de visitar o jardim e de provar as receitas vem atraindo cada vez mais turistas do Brasil e do mundo todo. O Evanir, por exemplo, viajou com a família, de Belo Horizonte a Santarém, para comemorar o aniversário dele e do filho. E se disse encantado com a beleza do lugar, algo que nunca tinha visto antes.

“A gente só via as vitórias-régias em livros, mas quando chegamos aqui e tivemos essa visão, foi maravilhoso. A gente fica até emocionado porque chegando aqui é como se sentíssemos a floresta, vemos o quanto temos belezas naturais nesse país”, exaltou Evanir Borges.

As receitas e o Jardim das Vitórias-régias viraram atração para turistas do mundo todo — Foto: Zé Rodrigues/TV Tapajós As receitas e o Jardim das Vitórias-régias viraram atração para turistas do mundo todo — Foto: Zé Rodrigues/TV Tapajós

As receitas e o Jardim das Vitórias-régias viraram atração para turistas do mundo todo — Foto: Zé Rodrigues/TV Tapajós

O filho, Frederico Veloso Borges, aproveitou para tirar várias fotos e registrar essa experiência única para todos eles. “Com certeza, vou levar muitas fotos e fotos muito diferentes, de paisagens muito diferentes. Está sendo maravilhoso conhecer esse lugar”, comentou.

E, claro, que os mineiros não perderiam a chance de provar as receitas de Dulce. E apesar de confirmarem que o sabor é bem diferente do que estão acostumados, eles gostaram muito dos pratos amazônicos. "É muito diferente da culinária mineira, mas também muito gostoso. As receitas todas estão mais do que aprovadas", opinou Júlia Araújo.

Atualmente, Dulce conta com 134 vitórias-régias adultas e mais 89 mudas em seu jardim. A planta amazônica é cercada de misticismo, pois de acordo com uma lenda indígena tupi-guarani, a vitória-régia nasce a partir do desejo da deusa Jaci, que transforma a índia guerreira Naiá, que havia perdido a vida, na primeira “estrela das águas”.

As vitórias-régias são plantas típicas da Amazônia, e de acordo com uma lenda indígena, são conhecidas como "Estrelas das Águas" — Foto: Zé Rodrigues/TV Tapajós As vitórias-régias são plantas típicas da Amazônia, e de acordo com uma lenda indígena, são conhecidas como "Estrelas das Águas" — Foto: Zé Rodrigues/TV Tapajós

As vitórias-régias são plantas típicas da Amazônia, e de acordo com uma lenda indígena, são conhecidas como "Estrelas das Águas" — Foto: Zé Rodrigues/TV Tapajós

E, sem dúvida, as vitórias-régias são estrelas na vida de Dulce. Tanto que ela não se imagina sem o seu jardim e aposta na utilização para um bem ainda maior, do que a visitação e a gastronomia.

“A melhor parte da casa é essa, a planta amazônica enfeitando a frente, então não me vejo sem o jardim. Mas eu trocaria todas as receitas se pesquisas chegarem a alguma conclusão na parte medicinal. Definitivamente, eu faria essa troca”, concluiu.

*Colaboraram Henrique Pimentel e Zé Rodrigues, da TV Tapajós

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE