Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Diretor do Sintesp denuncia falta de EPI’s para trabalhadores da área da saúde em Santarém

Problema pode impedir que profissionais desenvolvam atividades. Faltam máscaras, óculos de proteção e álcool em gel.

 
 -   /
/ /

Estão faltando Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) para os trabalhadores da área da saúde, é o que diz Sandro Pacheco, diretor de organização do Sintesp em Santarém, no oeste do Pará. De acordo com a denúncia, já foi feita uma reivindicação junto à gestão municipal por conta da falta de EPI's.

Os trabalhadores, que atuam diretamente no combate ao coronavírus, estão preocupados e se sentem impedidos de exercer as funções, visto que no caso dos agentes de endemias faltam também crachás que os identifiquem, e até o momento apenas alguns profissionais receberam, pois os itens tiveram que ser remetidos à empresa novamente, para correções.

“A previsão de retorno é só em maio e isso nos preocupa porque a categoria tem recebido muita recusa por não estar devidamente identificada e por também estar sem fardamento. Isso tem feito com que os moradores não deixem os agentes entrarem para fazer o trabalho de vigilância”, ressaltou o diretor.

Segundo o Sintesp, são aproximadamente 30 profissionais que podem deixar de produzir por não terem as condições necessárias de desenvolver suas atividades.

Em Santarém, atualmente são cerca de 76 agentes de endemias em campo fazendo o combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como Zika, Dengue e Chikungunya. Os agentes trabalham em 48 bairros dentro de Santarém e mais três distritos (Boa Esperança, Alter do Chão e Tabocal), além dos chamados “pontos estratégicos”, como borracharias e cemitérios.

“A gestão nos deu o prazo de que até abril esse problema seja resolvido, só que a situação pode se agravar já que os agentes não poderão fazer frente ao trabalho contra as doenças. A situação dos agentes de saúde é a mesma, os demais servidores das Unidades Básicas de Saúde (UBS), estão sem os equipamentos necessários (máscara, óculos de proteção, álcool em gel). Isso porque os materiais básicos de higiene e limpeza estão em falta e são comprados por meio da coleta dos próprios servidores”, explicou Sandro.

A preocupação é porque já há casos de coronavírus no Pará. De acordo com o diretor, uma reunião estava marcada para sexta-feira (20), mas foi cancelada. “Temos também problemas com as vigilâncias sanitária e epidemiológica, para fazer o enfrentamento ao coronavírus, eles não têm EPI algum que possa auxiliar, eles não têm os equipamentos que são exigidos pelo Ministério da Saúde pra atuar de acordo com o protocolo. A situação é essa, os profissionais estão vulneráveis”, reiterou o diretor.

Ao G1, Sandro disse que está aguardando a reunião para que seja encontrado um meio de resolver essa situação o quanto antes e, assim, poder oferecer segurança aos trabalhadores da área de saúde, independente de categoria, já que todos atuarão no combate ao coronavírus.

“Estamos precisando também de manutenção em três motos que estão paradas desde 2016. Outra situação que nos preocupa são os logradouros públicos, que como no caso da Seminfra, que acumula pneus, carcaça de veículos, que acumulam água e se tornam criadouros de Aedes aegypti. Na Divisa também tem muitos veículos sucateados que têm o mesmo fim”, disse o diretor.

Ainda de acordo com o diretor do Sintesp, têm reservatórios de água que não têm como eliminar, e a Secretaria de Saúde do Pará (Sespa) forneceu um larvicida que estava vencido. “A orientação do Sintesp foi que os agentes devolvessem esse larvicida para própria segurança deles e dos moradores, já que o indicado era que esse produto fosse usado em reservatórios de água”.

O larvicida foi recolhido e os agentes foram orientados a não usar até que a Secretaria fornecesse um dentro do prazo de validade.

“Estamos aguardando a resposta da gestão para que possamos resolver todo esse entrave com o trabalho do dia a dia".

O G1 solicitou posicionamento da Semsa na sexta-feira (20), mas até a publicação desta reportagem a Secretaria não havia respondido a solicitação.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE