Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Hospital Regional de Altamira alerta sobre cuidados com a saúde mental durante a pandemia do coronavírus

 
 -   / ASCOM HRPT
/ ASCOM HRPT / ASCOM HRPT

Psicóloga da unidade orienta sobre a importância do equilíbrio emocional frente à pandemia e necessidade de isolamento social

Há pouco mais de um mês, o primeiro caso do novo coronavírus (Covid-19) foi confirmado no Brasil, no estado de São Paulo. Desde então, um número crescente de infectados se alastrou por todo o território nacional, fazendo com que governantes determinassem medidas preventivas, visando achatar a curva de contaminação.

A principal estratégia adotada para combater a disseminação da doença, no Brasil e em diversos países do mundo, é o de isolamento social. Diante do novo cenário, familiares passaram a conviver 24 horas por dia dentro de casa, acompanhando, quase que continuamente, notícias sobre a pandemia. Mas, como agir quando este isolamento é transformado em ansiedade e se manifesta como nervosismo ou agitação?

Pensando nisso, o Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), unidade gerenciada pela Pró-Saúde em Altamira, traz orientações sobre como este período pode ser melhor aproveitado, além de dar opções de entretenimento e dicas que podem trazer um pouco de tranquilidade e inteligência emocional para lidar com a situação.

Orientações

De acordo com Paula Costa, psicóloga do HRPT, o período de isolamento pode causar um mal-estar psicológico, mas é importante sempre observar tudo com otimismo. “Nós não devemos pensar que estamos passando por uma punição, mas sim que é uma situação de preservação para contribuir por um bem comum para o próximo. É importante lembrar também que logo isso vai passar”, orienta.

A profissional afirma que, como seres humanos, é completamente normal sentir um pouco de solidão, e que esse momento pode ser aproveitado para refletir e potencializar a possibilidade de ficar sozinho. Além disso, mesmo em casa, é importante manter uma rotina produtiva, com horários determinados para acordar, comer, dormir e executar tarefas. 

Paula alerta, ainda, a respeito das fake news, ou notícias falsas, que circulam principalmente nas redes sociais. Segundo ela, o excesso desse material é prejudicial e pode desencadear ansiedade ou medo. “As pessoas podem cair na armadilha da hiperinformação, o que pode acabar trazendo angústia de forma exagerada”, explica.

Por outro lado, a psicóloga orienta a utilizar a tecnologia a seu favor, como realizar chamadas de vídeo com a família e amigos, ou ainda, usar o celular como uma ferramenta de estudos ou entretenimento. “Lembrando que não podemos ficar fissurados ao uso da tecnologia, mas usar de forma positiva”, recomenda.

“O mais importante é evitar o pensamento individualista e pensar sempre no coletivo, que estamos fazendo isso por nós e por um bem maior. Também é essencial observar tudo numa boa perspectiva e ser solidário, é o momento ideal para trabalharmos isso. E, claro, não esquecer aquelas orientações básicas de lavar as mãos, evitar aglomerações e não sair de casa”, finaliza Paula.

Dicas

- Evitar o excesso de informação;

- Tentar não falar o tempo todo sobre o assunto;

- Manter a rotina normal ou criar uma nova rotina;

- Aproveitar o momento em família;

- Procurar fazer o que gosta: ouvir música, ler um livro, cozinhar;

- Cuidado ao compartilhar notícias que possam ser falsas;

- Utilizar a tecnologia para conversar com familiares;

- Cuidar de você, se manter ativo e com uma alimentação saudável;

- Não banalizar o risco para fugir do medo;

- Não antecipar sofrimento;

- Praticar a autoconfiança.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade.

Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente, realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 24 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE