Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

'''Agradecida por continuar junto deles''', relata mãe que se recuperou da Covid-19

Algumas mães não escaparam do novo vírus, mas se recuperaram e puderam celebrar o Dia das Mães.

 
 -   /
/ /

A pandemia do novo coronavírus parece ter engolido o dia das mães. No Pará, com o lockdown em vigor, não é possível fazer visitas. Nem às casas, nem aos hospitais e nem aos cemitérios. O isolamento criou celebrações em distanciamento para preservar a saúde das mulheres que cuidam de tantas vidas. Nos lares em que mães e filhos estão juntos, a troca de presentes foi substituída por declarações de amor e agradecimentos.

Tita Padilha se recuperou da Covid-19 e segue os cuidados com o gêmeos de seis meses.  — Foto: Arquivo Pessoal Tita Padilha se recuperou da Covid-19 e segue os cuidados com o gêmeos de seis meses.  — Foto: Arquivo Pessoal

Tita Padilha se recuperou da Covid-19 e segue os cuidados com o gêmeos de seis meses. — Foto: Arquivo Pessoal

A artista visual paraense, Tita Padilha, cuida dos gêmeos de seis meses durante o período de isolamento. Para passar por essa fase com apoio familiar, ela e o marido foram para a casa dos avós dos bebês, junto deles a família da irmã de Tita também foi. Elas tiverem os filhos em datas próximas. O lar da quarentena ficou com três bebês.

Enquanto os casos de Covid-19 aumentavam no estado, ela foi infectada. “Quando o meu cunhado, que continua trabalhando, pegou, ele foi o primeiro, quatro dias depois eu peguei, e ficamos isolados. O isolamento foi muito difícil para mim, porque nós nunca ficamos separados desde quando eles nasceram. A não ser no tempo da UTI, mas isso é um outro tipo de sentimento”, relata.

A angústia começou quando os sintomas chegaram e o hospital foi necessário. “Por ser uma doença nova, mesmo eu não estando no grupo de risco, não dava para prever o que poderia acontecer comigo. Uma angústia de eu ser internada, de não poder cuidar deles. Tive episódio de falta de ar e tive que procurar hospital. Processo doloroso, eu ficava com receio de não poder cuidar deles”, continua.

No lar que reuniu as famílias para passar a quarentena, apenas três pessoas não adoeceram e puderam ficar cuidando dos três bebês. Tita, o pai, o cunhado e o primo tiveram os sintomas da Covid-19. Mas foram as crianças que deixaram o clima leve. A cada risinho, uma nova esperança.

“Meu sentimento nesse dia das mães é confuso. Eu queria estar muito feliz, comprar presentes, abraçar as pessoas. Mas a gente não pode. Meu sentimento é de gratidão por ter passado por isso, pelo meu pai, que era um caso mais delicado, ter superado. Três semanas desde o aniversário da minha mãe e agora está todo mundo bem.

Eu nem consigo pensar em presente, nem nada. Só quero agradecer por estarmos juntos. Quantas pessoas tiveram que se despedir das suas mães de uma maneira bruta. Dá um pouco de tristeza, mas acima de tudo, estou agradecida por ter a oportunidade de continuar junto deles”, conclui.

Juntos depois da UTI

O recém nascido Pedro Henrique se recuperou da Covid-19 após 10 dias na UTI da Santa Casa, em Belém. — Foto: Ascom/Santa Casa O recém nascido Pedro Henrique se recuperou da Covid-19 após 10 dias na UTI da Santa Casa, em Belém. — Foto: Ascom/Santa Casa

O recém nascido Pedro Henrique se recuperou da Covid-19 após 10 dias na UTI da Santa Casa, em Belém. — Foto: Ascom/Santa Casa

Outra mãe que não escapou do novo vírus foi a Daiane Oliveira de Andrade, de 21 anos. Ela saiu do município de Traquateua, nordeste do Pará, com síndrome gripal e deu entrada na Santa Casa, em Belém. Durante a internação, ela recebeu o diagnóstico. Sim, era Covid-19.

Pedro Henrique, filho de Daiane, nasceu no dia 18 de abril, com 2.480 g. Ela evoluiu bem ao tratamento, mas o pequeno apresentou problemas respiratório e ficou internado na UTI. Após 10 dias de cuidados intensivos, ele recebeu alta.

"Ele foi super bem atendido, todo dia a médica que acompanhava ele me ligava para dizer como ele estava. Foi uma emoção muito grande no dia que ligaram dizendo que ele estava de alta, e depois de tanta luta, finalmente ele ia estar aqui comigo", relata a mãe. Pedro Henrique saiu bem e foi entregue à avó, dona Joelma, pois a mãe está se recuperando em casa.

 

 


PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE