Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Entidade denuncia tratamento cruel de elefantes na Tailândia

A World Animal Protection divulgou imagens gravadas secretamente em vários locais entre dezembro de 2018 e janeiro de 2020, que mostram mães e crias alterados por serem separado.

 

Um vídeo feito com câmera escondida mostra jovens elefantes na Tailândia sendo tirado de suas mães e expostos a métodos abusivos de treinamento para fazer truques para turistas, de acordo com uma entidade de proteção aos animais.

  • Elefanta resgatada de circo chega em Santuário de Elefantes em MT

A "World Animal Protection" divulgou imagens gravadas secretamente em vários locais entre dezembro de 2018 e janeiro de 2020, que mostram mães e crias alterados por serem separados. Há imagem dos pequenos elefantes isolados, com trauma.

Os vídeos capturam o que a entidade diz serem três equipes de treinamento que se esforçam para os animais sejam submissos e possam aprender truques como girar bambolê pela trompa, andar com penas com as patas de trás ou pintar uma tela.

O ministro de meio-ambiente da Tailândia disse que crueldade com animais não será tolerada, e que, se as imagens forem autênticas, medidas serão tomadas.

As gravações mostram oito elefantes submetidos a um programa de oito passos que é chamado de o aperto.

Eles foram forçados a andar com pernas acorrentadas, áreas sensíveis dos elefantes eram cutucadas com ganchos ou eles eram expostos a estradas movimentadas.

A filmagem mostra o que o grupo disse ser a provação de uma mãe elefante, Gintaala, que foi separada ao longo do tempo de cada um de seus quatro filhotes.

"Os elefantes andam em manadas e cuidam um do outro. Então, fazer coisas assim é muito desumano", disse Roatchana Sungthong, gerente nacional de Proteção Animal Mundial.

Elefantes são um orgulho nacional e fazem parte da identidade tailandesa ao longo de sua história. Eles são usados para trabalho, para transporte e mesmo batalhas.

O ministro de meio-ambiente Varawut Silpa-archa disse que a crueldade animal era inaceitável, e pediu a qualquer grupo que tiver evidências para mostrá-la.

"Um segundo de atraso pode significar a vida desses elefantes", ele afirmou.

Laithongrien Meepan, um especialista em elefantes e dono de um centro de treinamento dos animais, disse que acredita que os vídeos são montagens, e que mostram métodos antigos que eram usados em elefantes capturados na selva.

O centro de treinamento de Laithongrien não foi acusado de práticas abusivas, e ele disse que os responsáveis pelos elefantes não usam essas táticas.

O "World Animal Protection" disse que o vídeo é real, e não uma montagem.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE