Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Pará registra mais de 200 casos de abusos sexual contra crianças e adolescentes

De acordo com a Fundação ParáPaz, na maioria dos casos os suspeitos são pessoas de confiança das vítimas e familiares.

 

"Minha vida nunca vai voltar ao normal". Esse é o relato de uma adolescente de apenas 15 anos que foi abusada sexualmente pelo pastor da igreja evangélica que frequentava, no bairro da Condor, periferia de Belém. Somente neste ano, mais de 200 casos de abusos sexual contra crianças e adolescentes foram registros no Pará, segundo a Fundação ParáPaz.

"Quando decidi contar pra minha mãe, ele falava que se eu falasse, ia acabar com a vida da minha mãe e ia fazer pior com a minha amiga. Ele disse que ia fazer um inferno da minha vida. Minha vida nunca vai voltar ao normal", disse a adolescente. A adolescente é uma das ao menos cinco vítimas do pastor. Os casos foram denunciados ao conselho tutelar do bairro da Condor.

De acordo com a fundação ParáPaz, na maioria dos casos, os suspeitos são pessoas de confiança da vítima e da família. "Ele sabia o horário das pessoas da casa. Ela tava só em casa quando ele foi lá e então foi quando aconteceu", relatou a mãe de uma das vítimas. As investigações dos casos continuam enquanto o pastor segue solto.

Neste mês, na zona rural do município de Moju, nordeste do Pará, um homem que se passava por pastor de uma igreja foi preso pelo estupro de uma adolescente e uma jovem. O homem vai responder pelo crime de violência sexual mediante fraude, com pena de dois a seis anos de prisão. Na região sudeste do estado, em Parauapebas, um médico ginecologista foi preso pelo estupro de ao menos oito pacientes durante consultas realizada em diversos municípios paraenses.

Segundo a fundação ParáPaz, a investigação de denúncias é dificultada por conta da pandemia. "A pandemia dificulta as denúncias das crianças pois estas estão isoladas dentro de casa e não tem canais externos disponíveis para realizar as denúncias", disse a presidente do Pará Paz Jamille Saraty. A fundação lançou neste mês a plataforma online ParáPaz acolhe para auxiliar na realização de denúncias.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE