Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Programa de Capital de Giro para Preservação de Empresas pode ajudar empreendedores do DF

Por meio da iniciativa, criada por uma MP, empresas com faturamento anual de até R$ 300 milhões terão mais facilidade para acessar crédito durante a pandemia

 

A pandemia do novo coronavírus fez com sete mil empresas fechassem as portas no Distrito Federal, segundo o Ministério da Economia. Os dados da pasta englobam informações de maio a agosto deste ano e representam um aumento de 0,4% em relação ao quadrimestre imediatamente anterior.

Para diminuir os impactos econômicos da pandemia nos negócios, o Congresso Nacional discute a aprovação da medida provisória (MP 992/2020) que cria o Programa de Capital de Giro para Preservação de Empresas (CGPE). Por meio dessa iniciativa, companhias com até R$ 300 milhões de faturamento anual poderão recorrer a empréstimos junto aos bancos.

Reforma tributária tem debate adiado e segue sem previsão de aprovação pelo Congresso

Criação de imposto único pode evitar colapso de serviços públicos em Pernambuco e em todo país

O programa estabelece que instituições financeiras que emprestarem dinheiro a empresas terão direito a benefícios fiscais no pagamento do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Ou seja, não haverá garantia ou subsídios do Tesouro Nacional no CGPE.

Além disso, o tomador de empréstimo poderá utilizar um imóvel ou veículo como garantia para mais de uma operação de crédito junto a um mesmo credor.

Para o senador Izalci Lucas (PSDB-DF), passados quase oito meses desde o início da pandemia da Covid-19, empreendedores de todo o País ainda enfrentam dificuldades para superar a crise. Izalci defende que os bancos somem esforços para a concessão de empréstimos aos empreendedores mais afetados pelo coronavírus.

“Hoje as empresas estão enfrentando muitas dificuldades, como para pagar salários no quinto dia útil do mês e pagar impostos por conta da crise. Além disso, outra medida acertada [com a MP] é o fato de as empresas poderem utilizar um imóvel como garantia para mais de um financiamento.”

Parecer

O relator da MP na Câmara dos Deputados, deputado Glaustin da Fokus (PSC-GO), apresentou o parecer à matéria na última semana. No relatório, o parlamentar incluiu no programa microempreendedores individuais, pessoas físicas, produtores rurais, profissionais liberais, sociedades simples, empresas individuais de responsabilidade limitada e sociedades empresárias.

William Baghdassarian, professor de finanças do Ibmec-DF, acredita que a utilização de um imóvel como garantia para acessar empréstimos é bastante vantajoso, sobretudo quando se compara os juros em outras linhas de crédito, como o cheque especial. 

“A linha de crédito do imóvel é a mais barata que existe [no mercado], variando entre 7 e 8% de juros ao ano, comparado com a taxa do cheque especial que é de 8% ao mês. Então, se você tiver um imóvel como garantia, você terá acesso a um crédito muito barato”, explica.

Segundo o governo federal, as regras estipuladas pela MP servirão até mesmo em linhas de crédito já existentes, como o Pronampe. As regras do Programa de Capital de Giro para Preservação de Empresas (CGPE) já estão em vigor, mas para virar lei, a MP precisa ser apreciada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado e ser sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro. 

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE